Iluminação Cênica (decorativa)

Enriquecendo o espaço onde será o seu evento.

Evento Corporativo

Banckdrop | Telão | Iluminação para Plenária | Audiovisual

Carlos Sales | Produção de Eventos

DJ para Festas | DJ para Casamento | DJ de Casamento | DJ para Festa Teen | DJ para Festa SP

DJ para Casamento

ÁUDIO | LUZ | PROJEÇÃO

DJ para Balada

A sua balada merece muita música de qualidade e um equipamento excelente.

Carlos Sales DJ para Casamento

Excelência em Casamento

DJ para Festa de Debutante

A sua festa de 15 Anos será a melhor!

 

A cerimônia de casamento!

A Cerimônia de Casamento

Ritual vem de Roma

Mas foi na Inglaterra que a rainha Vitória, ousada para o seu tempo, inaugurou o casamento por amor e de branco.

A cerimônia de casamento, com noiva e culto religioso, nasceu na Roma antiga. Não se sabe ao certo em que ano, mas vêm de lá as primeiras notícias de mulheres vestirem-se especialmente para a ocasião. Prendiam flores brancas (símbolo de felicidade e longa vida) e ramos de espinheiro (afasta os maus espíritos) aos cabelos, além de se perfumarem com ervas aromáticas. Virou tradição. Desde então, o figurino da noiva ganhou novos símbolos, entre eles o véu, uma referência à deusa Vesta (da honestidade), que na mitologia greco-romana era a protetora do lar. Não é por acaso que a cerimônia de casamento tenha nascido em Roma.

Avançados para sua época, foram os romanos os primeiros a propor uma união “de direito”, instituindo a monogamia e a liberdade da noiva se casar espontaneamente, diante de juízes, testemunhas e com as garantias da lei. Durante a Idade Média, as mulheres perderam terreno e escolher o noivo passou a ser uma questão de família. O casamento da época era decidido quando a menina tinha entre três e cinco anos. Neste período, o noivado tomou-se mais importante reunindo na igreja, além dos noivos, pais e convidados para troca de alianças em ofício religioso.

Um embrião dos casamentos atuais. Na era medieval, o vermelho foi a cor nupcial preferida. Simbolizava “sangue novo” para a continuação da família e numa celebração acompanhada de muito ouro. Parecido aos dias de hoje em que a suntuosidade indica o poder da família. Mas foi uma rainha, de nome Vitória, que na Inglaterra inaugurou o primeiro visual noiva, tal qual o de hoje.

Apaixonada pelo primo, o príncipe Albert de Saxe Cobourg-Gotha, ela tomou a iniciativa de pedi-lo em casamento (o protocolo de época dizia que ninguém poderia fazer tal pedido a uma rainha). Ele aceitou. Foi a primeira vez que se teve notícias de alguém casar por amor.

Vitória foi mais ousada: acrescentou ao seu traje nupcial algo proibido para uma rainha na época – um véu (para provar sua identidade, em público, a soberana jamais se cobria). Nascia aí um costume que atravessaria o tempo e daria a Vitória o reconhecimento de trazer para a nossa época o amor, como sentimento básico para unir um homem e uma mulher. Com a chegada de uma nova classe social – a dos burgueses -, cria-se um código para sinalizar quando a mulher era virgem: casar de branco.
Era a garantia ao futuro marido de sua descendência, já que a virgindade significava a legitimidade da prole.

Você sabia?
“O homem que mais casou foi Gionani Viglioto, de Nova York: 104 vezes, de 1949 a 1981, em 15 países.”
“O casamento mais caro do mundo foi o do filho do xeique Rashid Al Maktoum, dos Emirados Árabes, em 1981. Custou US$ 20 milhões”

Carlos Sales Produção de Eventos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...